Início / Opiniao / A Espiritualidade no Dojo

A Espiritualidade no Dojo

Temos recebido indagações de pessoas preocupadas em saber se para treinar conosco teriam que necessariamente abandonar suas crenças e se tornarem evangélicos, e é para sanar essa questão que agora escrevo.

Bem, na verdade - e qualquer estudioso do assunto sabe disso - existe a mensagem de Jesus contida nos Evangelhos e existe a mensagem humana das “igrejas”, que senão em todos os casos, mas na grande maioria é bastante deturpada. Também temos que deixar claro que para muitos espiritualidade e religiosidade são a mesma coisa, mas que nós entendemos como coisas diferentes.

Na nossa Escola, vários professores e alunos crêem na existência histórica e manifestação Divina inconteste de Jesus, mas não obrigamos ninguém a fazê-lo e se assim o fizéssemos, estaríamos professando uma absurda discriminação.

Conversas sobre comparações religiosas ou convites para conhecer centros religiosos podem até ocorrer espontaneamente na amistosa convivência extratatame, como é natural nas relações entre quaisquer seres humanos que mostrem interesse pelo assunto, mas jamais ocorrerá doutrinação religiosa dentro do tatame.

Por outro lado, por seguirmos a tradição do Budo (Caminho das Artes Marciais) que é teísta, logo um ateu radical pode não se sentir muito à vontade em participar de práticas ou ouvir mensagens de cunho espiritual em nosso meio; e quanto a isso, infelizmente não podemos fazer nada, pois é inegável que as tradições espirituais sempre fizeram parte da cultura dos samurais. A máxima era: quanto mais Guerreiro, mais espiritualizado. Por isso estimulamos a espiritualização, porém, não obrigamos a religiosidade; isso, cada um decide por si mesmo.

Aí alguém pergunta: - E por que vocês seguem o Cristianismo?
E respondemos: - E por que não o Cristianismo? E por que não a mensagem de Jesus que vem sendo objeto de inspiração e estudo há séculos, em praticamente todas as partes do mundo, para filósofos, teólogos, cientistas, místicos, sábios, pintores, escritores, revolucionários, psicólogos, guerreiros, etc.? Além do que, sempre houve variações da corrente espiritual ou filosófica a ser seguida pelos samurais em função da atualidade da influência social das mesmas. O próprio Bushido (código de conduta dos samurais) é inspirado por três correntes de momentos distintos, a saber: Xintoísmo, Budismo e Confucionismo.

Falamos de Jesus, pois acreditamos ter na mensagem contida no Evangelho (quando observada com a sabedoria do Grande Espírito) incrível harmonia de ética existencial. Observando com atenção, não podemos negar a profundidade, simplicidade, bem como praticidade da maravilhosa mensagem de Cristo. Porém, não deixamos de fazer uso das boas mensagens de qualquer corrente filosófica ou religiosa desde que sejam edificantes naquilo que acreditamos ser o caminho para as boas relações na vida humana.

Agora saindo da dissertação teórica para a descrição prática, temos alunos católicos, espíritas, evangélicos, budistas, agnósticos, universalistas, etc. nos nossos dojo e temos a mais absoluta certeza que nenhum deles jamais se sentiu lesado ou hostilizado por seguir uma crença diferente do seu Instrutor ou da maioria dos seus colegas.

Também não percebemos nenhuma aparente discordância por parte dessas pessoas ao ouvirem nossas palestras, mesmo as que poderiam ser consideradas mais “tendenciosas”, posto que tomamos o proverbial cuidado de sermos bastante coerentes nas mesmas, sempre enfatizando a ética e não os dogmas; em razão disto, sempre temos recebido mesmo são muitos elogios e agradecimentos pelos aprendizados.

Em resumo, enfatizamos a ética espiritual, não uma religiosidade específica. Falar sobre o maravilhoso legado espiritual que Jesus nos deixou é uma coisa, obrigar alguém a se tornar evangélico, católico, adventista, espírita, etc., são “outros quinhentos”.

Termino por incitar os questionadores a uma reflexão: se dermos ênfase não a quem Jesus era como personagem histórico, mas sim ao que Jesus representa culturalmente, que é a manifestação humana do Amor de Deus - seja ele entendido de modo real ou simbólico, e isso cada um decide por si -, logo esse Amor de Deus é o único Caminho que leva a Deus, a única Verdade que vem de Deus e só o que pode gerar Vida na plenitude da palavra.

Por Dâmokles Sensei
Faixa Preta 2º Dan
Escola Dárcio Lira de Jiu Jitsu Tradicional.
Fortaleza-CE,02 de fevereiro de 2009

********************

Envie sua opinião sobre este texto para: contato@jiujitsutradicional.org.br.
Aviso: ao enviar sua opinião você estará também concordando com a divulgação da mesma

Autor: 
Dâmokles Sensei
Foto do Autor: 
Data: 
segunda-feira, 2 Fevereiro, 2009

Comentar

CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é ou não um visitante humano e para prevenir envio automático de spam.
CAPTCHA de imagem
Digite o texto exibido na imagem.